quinta-feira, 9 de julho de 2009

Princípios do Treinamento Desportivo


Por: Emerson Paim
PRINCÍPIOS BIOLÓGICOS
a) Princípio de unidade funcional
b) Princípio da multilateralidade
c) Princípio da especificidade
d) Princípio da sobrecarga
e) Princípio da supercompensação
f) Princípio da continuidade
g) Princípio da progressão
h) Princípio da individualidade
i) Princípio da Perspecitva Evolutiva
j) Princípio da Recuperação
l) Princípio da Participação Ativa e Consciente do Treino
m) Princípio da Transferência
n) Princípio da Periodização
o) Princípio da Adequação

________________________________________
PRINCIPIO DA UNIDADE FUNCIONAL
Conceitos Básicos:
O organismo funciona como um todo indissolúvel;
Uma falha em algum órgão ou sistema prejudica o treinamento;
Atenção ao desenvolvimento harmônico dos diferentes sistemas;
O desenvolvimento de uma Q.F. pode induzir ao prejuízo de uma segunda.

________________________________________
PRINCIPIO DA MULTILATERALIDADE
Atenção especial em relação ao trabalho com crianças;
Atletas com maior domínio de movimentos, apresentam uma maior variedade de ação motriz e como conseqüência, desenvolve uma maior capacidade de assimilar novas técnicas e métodos de treinamento mais complexos, levando em consideração que uma aprendizagem nasce sobre outros esquemas motores já adquiridos;
O problema da especialização de forma precoce:
Evolução em um determinado ponto;
Involução em outros órgãos, sistemas ou habilidades;
Preparação unilateral
HEGEDUS:
“A especialização é um freio ou uma barreira para o sucesso no alto rendimento”
Multilateralidade Geral - Quando a criança pratica várias modalidades esportivas.
Multilateralidade Específica - Quando a criança pratica todas as possibilidades que são oferecidas por um só esporte.

________________________________________
PRINCÍPIO DA ESPECIFICIDADE
Adaptações fisiológicas específicas;
Tipo de treinamento para desenvolver determinada Q. F.;
Formas de avaliação;
Modelos de treinamento de atletismo aplicados a modalidades coletivas;
A especificidade no contexto do macrociclo;
rendimento (Bompa apud Manso et ali, 1996).

________________________________________
PRINCIPIO DA SOBRECARGA
• Aplicação de um esforço específico visando estimular uma resposta adaptativa desejada, sem produzir um processo de desgaste físico exagerado.
• Ponto fundamental:
- Superar o limite inferior de esforço;
- Não atingir o limite superior de esforço.

“O ponto ideal de treinamento corresponde a uma carga física quando a intensidade e/ou volume são suficientes para provocar uma ativação do metabolismo energético ou plasmático da célula, em conjunto com a síntese de novas substâncias” (Burke, 1991)
Ponto de desgaste - nos primeiros anos de treinamento o volume deve aumentar progressivamente, mas na medida que o atleta melhora o nível, a importância do volume vai diminuindo e o fator intensidade deverá ter prioridade.
REFERENCIAIS P/ DETECCÃO DA FADIGA:
Alterações na capacidade de rendimento:

Diminuição na capacidade de trabalho;

Aumento da FC x nível de carga;

Aumento do consumo de oxigênio (submáximo);

Aumento da ventilação (submáximo);

Diminuição da força; diminuição da coordenação;

Aumento dos erros técnicos.

Alterações no estado geral:

Cansaço geral;

Insônia; sudorese noturna;

Perda de apetite; Perda de peso;

Amenorréia; cefaléias; náuseas;

Distúrbios gastrointestinais;

Dores musculares ou tendinosas;

Diminuição das defesas; Febre;

Reativação da herpes.
Avaliacão Clínica:

Aumento do ácido úrico;

Aumento do amoníaco basal;

Elevação da creatinaquinasa;

Aumento do cortisol basal;

Diminuição da testosterona livre;

Aumento do K no sangue;


________________________________________
PRINCÍPIO DA SUPERCOMPENSAÇÃO
Com a aplicação de estímulos de treinamento, produz-se alterações estruturais, tanto somática como funcionais, provocando no período de recuperação o retorno aos níveis iniciais e inclusive de melhora.
Fatores que interferem na composição da curva:

Volume; Intensidade;

Qualidade Física treinada;

Nível de condicionamento físico do praticante;

Condições climáticas;

Alimentação (antes-durante-depois).
Modelos de supercompensação

Formas de adaptação

Neural - Coordenação
Somático:

Aumento da espessura dos miofilamentos;

Aumento do número de capilares por sessão muscular;

Aumento da resistência dos tecidos conectivos;

Incremento das reservas energéticas;

Hiperplasia.


________________________________________
PRINCÍPIO DA CONTINUIDADE
- Ganho de performance;
- Manutenção dos níveis atingidos;
- Período de interrupção.
Fatores intervenientes:

Lesões;

Doenças;

Sociais;

Período do treino - Pré-competição
Indivíduos treinados recuperam mais rapidamente;
Redução da carga após um período de afastamento — procedimentos.

________________________________________
PRINCÍPIO DA PROGRESSÃO

Rege que o aumento da carga de treino deverá ser de forma gradual, esperando para que ocorra uma adaptação geral;

Principais parâmetros de controle: Volume + Intensidade;

Princípio ondulatório;

Quando não se segue uma progressão coerente, não se obtém nenhum benefício e a vida esportiva do atleta será prejudicada;

Evolução da sobrecarga.
________________________________________
PRINCÍPIO DA INDIVIDUALIDADE
Elaboração do programa ideal de treino


Costumes;

Gosto;

Necessidades;

Adaptado;

Meta.

Fatores que afetam a resposta individual

Genética;

Descanso e sono;

Meio ambiente;

Maturação;

Saúde, nutrição;

Motivação — perfil psicológico;

Nível de condição.


________________________________________
PRINCÍPIO DA PERSPECTIVA EVOLUTIVA
“Quanto mais treinado é o atleta mais difícil será
obter uma evoIução"
Navarro (1993) propõe após 3 - 5 anos de esforço máximo um período de 6 a 12 meses de regeneração. Clique aqui para ver o gráfico.

________________________________________
PRINCIPIO DA RECUPERAÇÃO
Acão recuperativa com o exercício

Durante o macrociclo;

Durante o mesociclo;

Durante o microciclo;

Durante a sessão ou dia de trabalho — exercício recuperadores.

Outras formas de acelerar o processo de recuperação:

Emprego de meios mecânicos e/ou naturais de recuperação;

Produtos recuperadores — meios e métodos ergonutricionais.

Emprego de meios mecânicos e/ou naturais de recuperação:

Raios ultravioletas;

Eletroestimulação;

Crioterapia;

Oxigenoterapia;

Hidroterapia (duchas, banhos à vapor, sauna);

Massagem: (superficial, fricção, percussão, vibração);

Pressão local negativa;

Gravitoterapia.

Produtos recuperadores — meios ergonutricionais:

Dieta com suplementação de hidratos de carbono;

Suporte hídrico;

Meios farmacológicos;

Bicarbonato;

L - carnitina, Ginseng, Arginina, Lisina, Cromo...

Glutamina, Cafeína;

Antioxidantes.


________________________________________
PRINCIPIO DA PARTICIPAÇÃO ATIVA E CONSCIENTE DO TREINO
Proposta de Harre (1987):

Determinar para o atleta um objetivo de rendimento a se atingido;

Oferecer ao atleta conhecimento estrito à tarefa de treinamento;

Formular exigências que requeiram reflexão, iniciativa e responsabilidade por parte do atleta;

Educar ao atleta para que seja capaz de se avaliar;

Confiar responsabilidades de condição pedagógica a atletas apropriados;

Capacitar ao atleta para efetuar um controle consciente de sua própria seqüência de movimentos;

Possuir um registro próprio de controle dos resultados e compara-los com os anteriormente realizados e com o realizado na realidade.


________________________________________
PRINCIPIO DA TRANSFERÊNCIA
A transferência de um tipo de treino poderá ser positiva, negativa ou nula.

Lateral ou horizontal - Futsal — futebol

Vertical - Progressão de dificuldade de tarefas. Ex. mortal – mortal c/ giro.
Problemas relacionados com a transferência

trabalho de musculação;

aprendizagem de um novo movimento;

modificar um movimento técnico já sedimentado;

aprendizagem de transmissão cruzada;

de uma modalidade à outra.


________________________________________PRINCÍPIO DA PERIODIZAÇÃO

Razões fundamentais para a estruturação do treino em períodos:

O atleta não pode manter por muito tempo a forma, por limitações fisiológicas;

As trocas periódicas da estrutura e conteúdo do treinamento são uma condição necessária para o aperfeiçoamento atlético visando poder alcançar um novo e superior degrau no desenvolvimento do atleta.
(Fortaleza & Ranzola, 1988)



________________________________________PRINCIPIO DA ADEQUAÇÃO

Existe um ponto ideal de treino em que a solicitação não pode ser baixa ao ponto de provocar uma desmotivação ao atleta, nem excessivamente forte ao ponto de prejudica-lo ou induzi-lo também a uma condição desmotivante.
Treino — Prazer — Objetivo — triunfo — Nova situação problema

Ir de pouco p/ muito

Do fácil p/ o complexo

Do conhecido p/ o desconhecido


________________________________________
PRINCÍPIOS PEDAGÓGICOS
a) Princípio de participação ativa e consciente no T.D.
b) Princípio da transferência do treinamento
c) Princípio da acessibilidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário